top of page
Buscar
  • Foto do escritorLucca Hansen

As Cirurgias Modernas que corrigem o grau dos olhos.

Atualizado: 7 de dez. de 2023


Este artigo será dividido em três porções:


1)As cirurgias refrativas com laser excimer (PRK, LASIK, SMILE).


2)O implante de lente fácica para altos graus.


3)A cirurgia de catarata (ou extração de cristalino transparente) para os pacientes mais velhos.


1) A Cirurgia Refrativa moderna é eficaz, segura e reprodutível.


Na cirurgia refrativa mudamos o grau do olho humano através do uso de técnicas que modificam a curvatura da córnea (com laser excimer) , que inserem uma lente especial (lente fácica para altos graus) ou que trocam o cristalino do paciente por outra lente (cirurgia de extração do cristalino transparente ou cirurgia de catarata).

Dr. Lucca Ortolan Hansen realizando cirurgia refrativa na plataforma Wavelight para tratamento de miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia. O tratamento com o laser excimer permite resultados seguros, eficazes e reprodutíveis.
Dr. Lucca Ortolan Hansen realizando cirurgia refrativa na plataforma de Laser Excimer Wavelight EX 500 da Alcon no Centro Médico e Cirúrgico Paulistano na Av. Gabriel Monteiro da Silva, próximo à avenida Rebouças.

Quais tipos de grau pode-se corrigir com o laser excimer?

1)Hipermetropia (grau que causa borramento para perto, cansaço, dor de cabeça - devido a córnea excessivamente plana ou tamanho pequeno do globo ocular).

2)Miopia (grau que causa borramento para distância devido a córnea muito curva ou tamanho demasiadamente grande do globo ocular).

3)Astigmatismo (grau que causa a divisão do raio de luz, confusão entre letras e borramento para distância).

4)Presbiopia (dificuldade para perto).


Uma das melhores plataformas para aplicação do tratamento de laser Excimer é a EX 500 da Alcon, na qual o Dr. Lucca Ortolan Hansen opera semanalmente. O tratamento wavefront optimized (WFO) permite resultados superiores devido ao desenho superior da periferia corneana (asférico). Esta tecnologia permite que os pacientes tenham visão superior pós operatória.


PRK: Técnica clássica, que consiste na remoção manual da porção mais superficial da córnea (epitélio) e aplicação do laser excimer em seguida por 10-15 segundos. É uma técnica aplicada já há mais de 30 anos, com resultados seguros e eficazes mesmo para córneas mais finas. É uma excelente técnica para tratamento de miopia e hipermetropia com astigmatismo associado baixo. Esta cirurgia não pode ser revertida (é permanente). Esta cirurgia pode ser retocada no caso de sobra de grau, ou recidiva do grau em um segundo momento.


PRK sem toque (transepitelial ou Streamlight): nesta modalidade a remoção do epitélio é feita 100% pelo laser excimer, ou seja, o paciente não tem o desconforto da remoção mecânica do epitélio. A grande vantagem é a de podermos oferecer tratamentos refrativos para pacientes que tem medo / aflição da manipulação do olho no período intracirúrgico. A aplicação do laser excimer leva em torno de 30-45 segundos. Esta cirurgia não pode ser revertida ( é permanente). Esta cirurgia pode ser retocada no caso de sobra de grau, ou recidiva do grau em um segundo momento.


LASIK: Técnica já estabelecida, consiste na criação/confecção de um flap de maneira manual ( espécie de tampa ) na córnea, levanta-se a tampa e aplica-se laser excimer na córnea para tratamento do grau. Esta cirurgia não pode ser revertida ( é permanente). Esta cirurgia pode ser retocada no caso de sobra de grau, ou recidiva do grau em um segundo momento.


FemtoLASIK: Técnica parecida com a LASIK, porém a confecção do flap é realizada por laser de femtossegundo (100% à laser) ao invés do microcerátomo (manual), levanta-se o flap e aplica-se laser excimer na córnea para tratamento do grau. Esta cirurgia não pode ser revertida (é permanente). Esta cirurgia pode ser retocada no caso de sobra de grau, ou recidiva do grau em um segundo momento.


SMILE: Técnica mais nova que utiliza o laser de femtossegundo para criação de um lentícula dentro da córnea, que é removida para tratamento do grau do paciente. Ainda, esta técnica é mais nova, e ainda não está sendo utilizada em larga escala no Brasil da mesma maneira que o LASIK e o PRK. Esta cirurgia não pode ser revertida (é permanente). O retoque desta cirurgia pode ser feito com uso de técnica convencional como o PRK.


2)Implante de Lente Fácica para Tratamento de Alto Grau:

Lente Fácica: Opção para tratamento dos pacientes com alto grau, nos quais não é possível tratamento por técnica à laser (adequada até -10,00 graus apenas), nestes casos é implantada uma lente dentro do olho do paciente (lente fácica) que corrige o grau, sendo possível corrigir casos com grau muito elevado. No implante da lente fácica não se remove a lente natural do olho (o cristalino). Esta cirurgia pode ser revertida ao se remover a lente fácica em uma segunda cirurgia.


3)Cirurgia de Catarata e Extração de Cristalino Transparente.


Facoemulsificação com implante de lente intraocular: a cirurgia de catarata tradicional pode corrigir o grau dos pacientes, permitindo o implante de lentes (lentes intraoculares ou LIOs) que corrigem a visão para distância e também para intermediário e perto.


A facoemulsificação com implante de lente intraocular é ideal para os pacientes mais velhos, com 55-60 anos, ou mais, que apresentam já presbiopia associada à hipermetropia, ou que já apresentam catarata.


Assim, pode-se tratar a hipermetropia, miopia, astigmatismo e presbiopia. Esta opção é melhor indicada para os pacientes que já possuem catarata habitualmente. Nesta cirurgia se remove a lente natural do olho (o cristalino) que é trocada pela lente intraocular dobrável.


Existem diversas opções de lentes intraoculares atualmente com suas vantagens e desvantagens.


A melhor lente intraocular deve ser decidida em conjunto com o paciente, esta decisão depende das características de uso da visão do paciente e dos exames do paciente, além da avaliação do tamanho da pupila e do grau e da visão pré-operatórios.


As principais opções de lentes intraoculares são: esférica, asférica (melhor tratamento das bordas com melhor visão periférica), tórica (corrige astigmatismo), bifocais, trifocais (permitem a visão de longe, intermediária e perto), lentes de foco estendido (permitem a visão de longe, intermediária com menos sintomas do que nas lentes difrativas).


Esta cirurgia não pode ser revertida ( é permanente).


As lentes mais implantadas pelo o dr. Lucca Ortolan Hansen são da Alcon e da Johnson & Johnson:

-Vivity, Symfony (foco estendido).

-Panoptix, Synergy (trifocal).

-Clareon, Eyhance (monofocal, glistening free, asférica, preloaded).


Benefícios das técnicas de cirurgia refrativa e de cirurgia de catarata: maior independência dos óculos, melhora da visão, diminuição ou eliminação do grau (miopia, hipermetropia, astigmatismo), melhora da visão de perto (a depender da técnica específica).


Riscos das técnicas de cirurgia refrativa e de cirurgia de catarata: hipocorreção (quando sobra grau), hipercorreção (quando a correção de grau é excessiva), cicatrização inadequada (por motivo individual do paciente, doença dermatológica grave), olho seco, sintomas de corpo estranho transitórios, alteração da qualidade visual (transitória geralmente, pode ser permanente), piora da visão em certas condições (baixa luminosidade, alta luminosidade), aparecimento de halos em torno dos focos luminosos), glare (ofuscamento que pode ocorrer quando há muita luz), infecção cirúrgica (rara em caso de tratamento adequado no pós operatório), complicações relacionadas ao FLAP no caso de LASIK/femtoLASIK, necessidade de retoque da cirurgia, recidiva do grau (quando o grau volta tardiamente).


Quais exames mais pedidos para indicação da cirurgia refrativa?


1)Fundo de Olho e/ou Mapeamento de Retina.

2)Retinografia (foto colorida do fundo do olho).

3)Ceratoscopia Computadorizada da Córnea (exame que avalia a superfície da córnea através dos anéis de placido, também conhecido como Topografia de Córnea).

4)Tomografia da Córnea (Pentacam, Galilei e similares - avalia com precisão as medidas e desenho da córnea; diminui o risco de ectasia pós cirurgia refrativa ao permitir a avaliação de fatores de risco para a ectasia).

5)Paquimetria da Córnea (exame que mede a espessura da córnea).

6)Outros exames: Microscopia Especular de Córnea para avaliação da saúde do endotélio da córnea; OCT de Segmento Anterior (Tomografia de Coerência Óptica da Córnea) para avaliação do epitélio da córnea.

7)Tonometria (medida da pressão do olho).


Para a correta indicação das cirurgias deve-se levar em conta a história clínica do paciente e os seguintes fatores:


1)Idade do Paciente (mínimo 18 anos para miopia isolada, ideal acima dos 21 anos para casos com astigmatismo associado).

2)Estabilidade do Grau do Paciente.

3)Características da Córnea do Paciente: Curvatura, Formato/Desenho na Topografia Corneana, Elevações, Espessura (paquimetria).

4)Expectativa do Paciente.

5)Presença ou não de catarata.

6)Presença de comorbidades associadas (olho seco, glaucoma, doenças do colágeno, gravidez, diabetes mellitus, histórico de quelóides, estrabismo, entre outras).

7)Presença de presbiopia (dificuldade para perto) associada.


É essencial indicar este tipo de tratamento apenas para os pacientes com expectativas realistas do procedimento. Sabe-se que a cirurgia refrativa é uma técnica segura, eficaz e reprodutível, sendo utilizada já em milhões de casos internacionalmente com grande sucesso. Porém, deve-se ter uma visão realista do processo e entender que ele depende de múltiplos fatores, sendo os mais importantes: correto planejamento cirúrgico, doenças oculares ou gerais que o paciente possua, características individuais de cicatrização, cuidados antes e após a cirurgia prescritos pelo cirurgião e acompanhamento cirúrgico no pós-operatório até recuperação total.


Dr. Lucca Ortolan Hansen


O Dr. Lucca Ortolan Hansen é especialista em Cirurgia Refrativa pela Universidade de São Paulo indica e aplica as mais modernas técnicas de cirurgica refrativa para benefício de seus pacientes: PRK, LASIK, femtoLASIK, SMILE, Lente Fácica e outras.


Médico formado Oftalmologista no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Especialista em Cirurgia Refrativa pelo Departamento de Cirurgia Refrativa do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

CRM 177.002

RQE 86.155






67 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page